CDS PP Almeirim Autárquicas 2005

sábado, setembro 17, 2005

CANDIDATO


Eis o nosso candidato a Presidente da Câmara de Almeirim!


O momento certo para a renovação:

Porque os problemas e injustiças que se verificam, são para nós oportunidades cruciais para melhorar a qualidade de vida e engrandecimento do nosso Concelho;

Porque somos espítitos abertos a opiniões francas e a novas perspectivas de futuro;

Porque somos gente com novas ideias e capazes de dar vida às ideias da gente nova;

Porque temos o dinamismo e o ritmo adequados à capacidade empreendedora das nossas Gentes.


LISTA DE CANDIDATOS

CÂMARA MUNICIPAL
  • José de Brito Lopes
  • José Dinis Mesquita Duarte
  • Custódio Azevedo Fidalgo do Castelo
  • Maria Teresa Cordeiro
  • Dalila do Carmo Lucas
  • Daniel Alberto Gonçalves
  • Maria da Conceição Vieira
  • Ângelo Silva
  • Carlos Chora
  • José Raúl Malfeito
  • Elisabete Silva
  • João Filipe Teixeira


ASSEMBLEIA MUNICIPAL
  • Maria Bernardina Queiroz Andrada
  • José Manuel de Brito Lopes
  • João Filipe Teixeira
  • José Dinis Mesquita Duarte
  • Elisabete Viegas Silva
  • Custódio Fidalgo do Castelo
  • Maria Teresa Malfeito
  • Daniel Alberto Gonçalves
  • Ângelo Silva
  • António Santos Simões
  • Dalila do Carmo Lucas
  • Maria Teresa Cordeiro
  • Mário João Rosa
  • António Jorge Montêz
  • Nuno Miguel Moura
  • Paula Cristina Inês
  • Inês Marques de Matos
  • Ana Catarina da Piedade
  • Ana Paula Teixeira
  • Ana Leonor Andrada
  • Frederico Silva
  • João Ricardo Vinagre
  • Paulo Jorge Domingos
  • Tiago José Cocharro
  • Isabel Moreira Lopes
  • Isabel Maria Marques
  • Samuel Teixeira


ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMEIRIM
  • João Filipe Teixeira
  • Carlos Chora
  • Nuno Miguel Moura
  • António Jorge Montêz
  • Maria Teresa Cordeiro
  • Ana Paula Teixeira
  • Ana Catarina da Piedade
  • Paula Cristina Inês
  • Mário João rosa
  • Inês Marques de Matos
  • Fernanda Maria Marecos
  • Nuno Miguel Marecos
  • Manuel da silva marecos
  • Isabel Moreira Lopes
  • Samuel Teixeira
  • Ângelo Cordeiro
  • Isabel Marques
  • Maria da Conceição Teixeira


ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FAZENDAS DE ALMEIRIM
  • Elisabete Belo Viegas Silva
  • Daniel Alberto Gonçalves
  • Ângelo Carmo Silva
  • António dos Santos Simões
  • Tiago Castelo Cocharro
  • Frederico Domingos Silva
  • Anabela Correia Pedro
  • Paulo Jorge Domingos
  • Estevão Gonçalves
  • Maria Isabel da Cruz Oliveira
  • Laura Gonçalves
  • João Ricardo Vinagre
  • Joaquim Luiz Pedro
  • Jorge Inácio santos
  • Margarida Botas Soares
  • Inácio Tomé dos Santos
  • Manuel Joaquim Morgado da Silva
  • Bruno Alexandre Roque


ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE BENFICA DO RIBATEJO
  • Maria da Conceiçao Ferreira de Lourdes Vieira
  • Dalila do Carmo Lucas
  • Maria Bernardina Queiroz de Andrada
  • José Raúl Malfeito
  • Ana Leonor Vieira Andrada
  • Maria Teresa Malfeito
  • Caetano de Andrada Pinto
  • José Maria Bernardo
  • Ângela Maria Silva
  • João Domingos Silva
  • Stella Tavares de Carvalho
  • Gabriel Malaquias Sequeira

quarta-feira, setembro 14, 2005

CARTA DE COMPROMISSOS DO AUTARCA DEMOCRATA-CRISTÃO

I - Compromissos democrata - cristãos na administração autarquica

No exercício das respectivas funções de administração local, os autarcas democrata-cristãos comprometem-se a defender e promover as 15 medidas a seguir enumeradas.


1. CRIAÇÃO DO BILHETE DE FAMÍLIA

O Bilhete de Família concederá descontos em actividades culturais, educativas, desportivas ou recreativas promovidas directamente, ou por concessão, pelo Município, independentemente do número de elementos do agregado familiar.



2. BONIFICAÇÃO DAS TARIFAS DA ÁGUA DE USO DOMÉSTICO

Criação de Tarifas Familiares de Água que tenham em consideração o número de elementos do agregado familiar e que sejam escalonadas em função da capitação dos consumos por lar, corrigindo assim o efeito indirecto de penalização e discriminação contra a família nos escalões de consumo doméstico.


3. REFORÇO DOS CENTROS DE DIA E DO APOIO DOMICILIÁRIO

Reforçar a criação de Centros de Dia e o Apoio Domiciliário, favorecendo a relação intergeracional, o apoio dos mais fragilizados no seio da família e as relações de vizinhança.


4. ESTÍMULO À CONCILIAÇÃO ENTRE ACTIVIDADES PROFISSIONAIS E VIDA FAMILIAR

Promover os mecanismos de conciliação entre as actividades profissionais e a vida familiar através, nomeadamente, da coordenação dos horários das cresces com os horários laborais dos Pais. Estimular, por outro lado, a criação de empresas familiarmente responsáveis mediante a atribuição de distinções ou prémios municipais para entidades que se destingam nessa área.


5. PROMOÇÃO DE PARCERIAS DE PAIS, PROFESSORES E ENTIDADES LOCAIS PARA ACTIVIDADES CONCERTADAS

Promover e estimular as parcerias entre Pais, Professores e Entidades Locais para abrir as escolas às populações, nomeadamente para actividades de ocupaçãomde tempos livres e para a criação de salas de estudo orientado para estudantes do ensino básico e secundário.


6. CRIAÇÃO DE INCENTIVOS À FIXAÇÃO DE CASAIS JOVENS NOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR

Promover e implementar estímulos à fixação de casais jovens nos concelhos do interior do país, como forma de combater a desertificação e de revitalizar e rejuvenescer estas comunidades locais.


7. PROMOÇÃO DA PRESENÇA DE MÉDICOS DE SAÚDE NOS CENTROS DE SAÚDE

Assegurar os meios e as condições logísticas necessárias para promover a presença de médicos de família nos centros de saúde no Município, garantindo, desta forma, a prestação de cuidados de saúde num contexto de proximidade.


8. CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE PARA DEFICIENTES

Promover condições de acessibilidade para os cidadãos deficientes, tanto de um ponto de vista arquitectónico e de transportes públicos como perante as novas tecnologias de informação e de comunicação.


9. APOIO ÀS ACÇÕES DE VOLUNTARIADO SOCIAL

Reforçar o apoio aos movimentos e associações cívicas que prestam serviços no âmbito do voluntariado social, nomeadamente no combate à pobreza, à marginalização e na promoção e defesa da vida e da maternidade.


10. CONSAGRAÇÃO DE NOVAS POLÍTICAS DE CIDADE

Promover novas políticas de cidade através de operações requalificação de zonas urbanas que privilegiem a recuperação de imóveis antigos ou a construção de fogos novos para famílias com dois ou mais filhos, bem como a garantia de zonas verdes e infra-estruturas de comércio, lazer, cultura e recreio, humanizando os ambientes urbanos.


11. REFORÇO DA SEGURANÇA DOS CIDADÃOS

Reforçar a segurança dos cidadãos contra a criminalidade e a delinquência, de forma a permitir que as pessoas possam viver com tranquilidade e com confiança de que podem exercer com liberdade cada um dos seus direitos. As políticas de reforço da segurança dos cidadãos passam, por um lado, pela criação de condições mais propícias para o exercício das funções das forças policiais (nacionais e minicipais) e , por outro, por medidas destinadas à realização de uma maior coesão social e de combate à exclusão social.


12. PROTECÇÃO DO AMBIENTE E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA

Promover um desenvolvimento económico sustentado com respeito pela conservação dos recursos naturais e da biodiversidade, através de políticas que garantam a qualidade das águas e que combatam a acumulação de resíduos, a contaminação atmosférica e o ruído. Promover, em simultâneo, o uso mais eficiente e responsável dos recursos naturais e da energia, favorecendo a eficiência energética, as energias renováveis, os materiais reciclados e a reutilização da água mediante a participação activa e a colaboração dos cidadãos.


13. PRESERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO E TRADIÇÕES LOCAIS

Promover a investigação, a preservação e a restauração do património cultural, como factor gerador de identidade e pertença e de desenvolvimento económico e social, bem como apoiar e dinamizar as tradições e costumes locais.


14. REDUÇÃO DE IMPOSTOS LOCAIS

Propor e defender a redução da carga fiscal de âmbito municipal sobre as famílias e as empresas. Esta redução abrangerá quer a tributação sobre o património (IMI e IMT), quer a tributação sobre o rendimento das pessoas colectivas (Derrama). Neste particular, adquire especial importância a redução da carga fiscal em sede de IMI, quer por via da fixação de taxas reduzidas para a tributação dos imóveis quer pela determinação dos benefícios fiscais para fomentar as operações de reabilitação urbana e combate à desertificação.


15. PROMOÇÃO DE REFERENDOS LOCAIS

Promover a realização de referendos sobre questões de relevante interesse local, permitindo que os cidadãos de eleitores sejam chamados a premunciar-se e a ter uma participação activa relativamente a matérias concretas com impacto no desenvolvimento da vida comunitária.